segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Entrevista de Dr. Ronald Ballou


Por meio de uma entrevista exclusiva com Dr. Ballou - professor emérito de Operações da Escola de Administração Weatherhead da Universidade Case Western Reserve - publicada na Revista Mundo Logística, pudemos observar sua opinião sobre o desenvolvimento da Cadeia de Suprimentos e Logística, o cenário brasileiro, tecnologia, futuro e pesquisas na área. O professor Ballou tem trabalhado como consultor em assuntos de logística em muitas empresas, como destaque para área de redes de logística.

Durante a entrevista um dos temas abordados foi o questionamento gerado em torno da implementação dos “Departamentos de Supply Chain - SCM” dentro das empresas como uma substituição do Departamento de Logística.

O mesmo acredita que esse tema tem despertado algumas confusões até mesmo aos que trabalham na área, pois ao longo dos anos o termo “Logística” tem sofrido uma evolução muito grande em seu escopo. Sendo assim, com o passar dos anos, o termo vem sofrendo alterações no seu conteúdo de gerenciamento e com isso, altera-se também a sua nomenclatura, sendo que a mais recente e também considerada a mais adequada por Ballou é o Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos (SCM). O SCM tem sido expandido nas empresas e organizações, incluindo compras e produção, atividades que historicamente não faziam parte da logística.

Quando questionado a respeito dos ganhos logísticos, que estão cada vez mais se deslocando para fora da empresa, Ballou afirma que já existem dois sucessos de gerenciamento além dos limites da empresa que são o Just-in-time e o
controle de vendas, e além desses muitos outros devem ser aplicados para o sucesso da companhia como o rastreamento de caminhões via GPS, processamento automatizado de pedidos e programação computadorizada de transportes.

Ballou acredita que a grande guinada tecnologia para os próximos 10 anos será a Tecnologia da Informação, pois ela será a força motriz de mudanças seguidas por outros acontecimentos tecnológicos. 



Etiqueta com leitura por RFID
Como por exemplo, o RFID (Identificação por Radiofrequência), que apesar de ter o seu uso esfriado após o lançamento, deverá popularizar-se como produto de codificação, impactando positivamente nossa capacidade de compartilhar informações sobre todo o processo e em tempo real. 




A sustentabilidade também é citada como o principal objetivo das empresas, pois acrescenta uma vantagem competitiva para os clientes que a valorizarem, especialmente com respeito aos objetivos sociais e ambientais.

Quando questionado a respeito de qual deveria ser a preocupação brasileira em termos de logística, Ballou acha que as empresas deveriam aplicar os mesmos conceitos e princípios que são bem discutidos nos livros de logística e gerenciamento de cadeia de suprimentos e como ponto de atenção focar um sistema melhorado do fluxo do tráfego, investindo em um sistema rodoviário que parta da costa para o centro do País.

Ballou acredita que a ideia de logística enxuta surge da combinação das práticas de Just-In-Time com gerenciamento da Qualidade Total (TQM), em que a ideia principal é livrar a cadeia de suprimentos de todo o tipo de prática excessiva e ineficiente. O cliente moderno tem se tornado cada vez mais impaciente com relação a prazos e erros no processamento de pedidos, sendo assim, a área de maior impacto dentro da cadeia logística será no desempenho da cadeia de suprimentos que está no centro dos esforços de marketing da empresa.

Com a atual popularidade dos princípios do gerenciamento de cadeia de suprimentos e seu foco na administração inter-organizacional, existem várias áreas de pesquisa que podem e devem ser atendidas de forma a concretizar potencial do gerenciamento da mesma.

Com tudo isso, Ballou acredita que é preciso refinar os estudos de como compartilhar os benefícios da cooperação entre todos os parceiros do canal.



Fonte: Revista Mundo Logística edição 22. Maio de 2011


Grupo Laranja

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário!!!

Postar um comentário